13/05/17

"Maria, mar e outras invocações"

CLIQUE NO CARTAZ PARA VER O PROGRAMA

"Maria, mar e outras invocações"
Teve início em 21 de abril, no Centro Cívico de Arada, o ciclo de manifestações culturais “Maria, o mar e outras invocações”, que a Vigararia Espinho/Ovar decidiu promover nas diversas freguesias desta zona marítima da Diocese do Porto, como participação concreta desta parcela das Terras de Santa Maria na celebração do Centenário de Fátima.

FOTO: MPB

O Professor Vítor Teixeira, da Universidade Católica do Porto, e o Bispo Auxiliar do Porto D. António Augusto Azevedo foram os principais intérpretes dos objetivos desta manifestação cultural da piedade popular, lembrando alguns dos títulos com que o povo destas 14 paróquias da beira-mar invoca a sua proteção.
Esses títulos e as respetivas imagens estão patentes em outros tantos cartazes que bordejavam o vasto Salão do Centro Cívico de Arada: N.ª Sra. do Desterro (Arada), N.ª Sra. da Graça (Ovar), N.ª Sra. da Ajuda (Espinho e S. João de Ovar), N.ª Sra. da Guia (Paramos e Guetim), N.ª Sra. da Saúde (Maceda), N.ª Sra. do Mar (Silvalde), N.ª Sra. do Amparo (Válega), N.ª Sra da Assunção (Esmoriz), N.ª Sra. da Nazaré (Cortegaça), N.ª Sra. da Boa Viagem (S. Vicente de Pereira e S. Pedro de Ovar), N.ª Sra. dos Altos Céus (Anta).

FOTO: MPB

Abriu a sessão o padre Vítor Nelson, de São João de Ovar e São Vicente de Pereira, que apresentou os intervenientes na sessão: o grupo coral da paróquia, que interpretou dois cânticos à Nossa Senhora, o padre Nuno Oliveira, pároco de Paramos e Vigário da Vara, e os dois principais intervenientes, Prof. Vítor Teixeira e D. António Augusto, que se congratularam por esta feliz iniciativa.
Estiveram presentes o vice-presidente da Câmara, Domingos Silva, Bruno Oliveira, presidente da União de Freguesias de Ovar, e os diversos párocos da Vigararia.
A próxima jornada desta iniciativa será em Ovar, em 5 de maio (18 horas), com abertura na Casa-Museu da Ordem de São Francisco em Ovar.

FOTO: MPB


Nossa Senhora da Graça - Paróquia de São Cristóvão de Ovar

CLIQUE NA GRAVURA

A exposição 
“Maria, o mar e outras invocações”
em Ovar

Santa Maria é o título mais antigo que os cristãos utilizaram para evocar a Mãe de Jesus, título esse que se manteve ao longo dos séculos, como se comprova na designação de Terras de Santa Maria atribuída ao território a sul do Douro quando da reconquista cristã. Entretanto, outros títulos foram dados à Virgem, como os da ladainha em sua honra e os que evocam as suas virtudes e até locais em que lhe dedicaram um santuário.

O pároco de Ovar, P.e Manuel Pires Bastos, abrindo a exposição na Casa-Museu
de Arte Sacra da Ordem Franciscana Secular de Ovar

FOTO: António Dias

Cumprindo o programa elaborado pela Vigararia de Ovar/Espinho, foi inaugurada em 5 de maio, na Casa-Museu de Arte Sacra da Ordem Franciscana Secular de Ovar, continuando até ao dia 28, a exposição “Maria, o mar e outras invocações”, constituída por 14 painéis com a imagem representativa de cada uma das paróquias, sendo a de Ovar Nossa Senhora da Graça. Abriu a sessão o pároco, padre Manuel Pires Bastos, seguindo-se no uso da palavra o Vigário da Vara, padre Nuno Monteiro, pároco de Paramos, que referiu ser bem notória a devoção da nossa gente a Nossa Senhora, com os títulos mais variados, alguns deles ligados à vida no mar.

O Vigário da Vara, P.e Nuno Monteiro, pároco de Paramos,
falando sobre o culto de Nossa Senhora

FOTO: António Dias

FOTO: António Dias

A exposição "Maria, mar e outras invocações" pode ser apreciada até ao
dia 28 de maio de 2017

FOTO: MPB

Na Capela de N.ª Sr.ª da Graça, após a audição de dois números musicais dedicados a Maria cantados por Ana Andrade, com acompanhamento de Rui Manarte, o pároco lembrou a história desta capela e do seu culto, associando esta atividade da Vigararia à celebração do Centenário das aparições de Fátima. O título “Senhora da Graça” terá sido o primeiro a dar origem, no século XV, em Ovar, a um templo mariano.
Era a época em que esta vila assumia o seu poder administrativo, até aí exercido pela antiga vila e concelho de Cabanões. Segundo uma tradição local referenciada por Frei Agostinho de Santa Maria no seu “Santuário Mariano”, datado de 1714, teria sido à volta de 1438 que o povo local, devido à proteção da Virgem (cuja imagem, em pedra, data desse período), lhe levantou a primeira capela, substituída, em 1660/1668, por uma segunda, mais elevada em relação ao rio, com altares em estilo da época (o barroco), e por uma terceira, a atual, ainda mais alteada em 1897, de acordo com nova elevação da estrada.  P.B.


A homenagem a Nossa Senhora terminou na capela de N.ª Sr.ª da Graça,
com um pequeno concerto, e a celebração da Eucaristia, presidida pelo Pároco. 
Na imagem: Ana Andrade e Rui Manarte cantando a Maria. 
FOTO: David Tavares

FOTO: MPB


Clique AQUI para ler
sobre o culto de Nossa Senhora

Clique neste link para ler

Nossa Senhora da Graça – Entre a Lenda e a História


Sem comentários: